Ir para o conteúdo principal

A Banricoop

O que é uma cooperativa de crédito

O que é uma cooperativa de crédito

Existem muitas diferenças entre as cooperativas de crédito e as demais instituições financeiras. Conheça e surpreenda-se!

Cooperativa de Crédito é uma instituição financeira formada pela associação de pessoas para prestar serviços financeiros exclusivamente aos seus cooperados que são, ao mesmo tempo, donos e usuários da cooperativa. Em outras palavras, os cooperados têm a condição de participar da Gestão e também utilizar os produtos e serviços da Cooperativa.

A tabela abaixo mostra que optar por uma cooperativa de crédito é uma solução moderna, inteligente e humana, que colabora para a construção de um mundo mais igualitário.

BANCOS COOPERATIVAS DE CRÉDITO
São sociedades de capital São sociedades de pessoas
O poder é exercido na proporção do nº de ações O voto tem peso igual p/ todos
As deliberações são concentradas As decisões são partilhadas entre muitos
O administrador é um 3º (homem do mercado) O administrador é do meio cooperativo
O usuário das operações é mero cliente O usuário é o próprio dono (cooperado)
o usuário não exerce qualquer influência na definição do preço dos produtos Toda a política operacional é decidida pelos próprios usuários/donos (cooperados)
Podem tratar distintamente cada usuário Não podem distinguir: o que vale para um, vale para todos (art. 37 da Lei nº5.764/71)
Preferem o grande poupador e as maiores corporações Não discriminam, voltando-se mais para os menos abastados
Priorizam os grandes centros(embora não tenham limitação geográfica) Não restringem, tendo forte atuação nas comunidades mais remotas (mesmo porque, em razão de sua natureza comunitária, tem limitação de área geográfica)
Têm propósitos mercantilistas A mercancia não é cogitada (art.79, parágrafo único, Lei nº5.764/71
A remuneração das operações e dos serviços não tem parâmetro/limite O preço das operações e dos serviços visa a cobertura de custos (taxa de administração)
Atendem em massa, priorizando o autoserviço O relacionamento é personalizado/individual, com o apoio da informática
Não têm vínculo com a comunidade e o público-alvo Estão comprometidas com as comunidades e os usuários
Avançam pela competição Desenvolvem-se pela cooperação
Visam ao lucro por excelência O lucro está fora do seu objeto (art. 3º da lei nº 5.764/71)
O resultado é de poucos donos (nada é dividido com os clientes) O excedente (sobras) é distribuído entre todos (usuários), na proporção das operações individuais, reduzindo ainda mais o preço final pago pelos cooperados
No plano societário, são regulados pela Lei das Sociedades Anônimas São reguladas pela Lei Cooperativista

História das cooperativas de crédito

Para entender um pouco mais sobre como surgiu a ideia de formar cooperativas de crédito ao longo da história, podemos buscar suas raízes no mundo. Inúmeras formas de cooperação entre homens foram experimentadas desde a Antiguidade. O cooperativismo moderno, no entanto, na forma como hoje é conhecido, surgiu em 1844, na cidade inglesa de Rochdale, quando 28 tecelões fundaram uma cooperativa de consumo.

Alemães: os pioneiros no crédito cooperativo

Daí para surgir uma cooperativa de crédito, foi um passo: quatro anos após, em 1848, Friedrich Wilhelm Raiffeisen fundou a primeira na Alemanha. Tipicamente rurais, estas cooperativas tinham como principais características a responsabilidade ilimitada e solidária dos associados, a singularidade de votos dos sócios – independentemente dos números de quotas-partes –, a área de atuação restrita, a ausência de capital social e a não distribuição de sobras, excedentes ou dividendos. Ainda hoje, este modelo é bastante popular na Alemanha.

Outro alemão, Herman Schulze, foi o primeiro a criar uma cooperativa de crédito urbana. Em 1850, Schulze organizou a constituição de uma cooperativa de crédito na cidade alemã Delitzsch. Esses "bancos populares", como passariam a ser conhecidas as cooperativas do tipo "Schulze-Delitzsch", diferenciavam-se das cooperativas do tipo Raiffeisen por preverem o retorno das sobras líquidas proporcionalmente ao capital, a área de atuação não restrita e ao fato de seus dirigentes serem remunerados.

A vez dos italianos

Inspirado nos pioneiros alemães, o italiano Luigi Luzzati organizou a constituição do primeiro banco cooperativo em 1865, na cidade de Milão, Itália. Este tipo de cooperativa, bastante popular no Brasil das décadas de 40 a 60, tinham como características a não-exigência do vínculo para a associação – exceto algum limite geográfico, como bairro, município, etc –, cotas de pequeno valor; concessão de crédito de pequeno valor sem garantias reais; não-remuneração dos dirigentes e responsabilidade limitada ao valor do capital subscrito.

O surgimento nas Américas

Um pouco mais tardiamente, o surgimento da primeira cooperativa aconteceu sob comando do jornalista Alphonse Desjardins, que idealizou a constituição de um modelo diferente do europeu, embora se inspirando nele. A primeira cooperativa foi criada por Desjardins na província canadense de Quebec, em 6 de dezembro de 1900. Esse tipo de cooperativa – que no Brasil hoje é conhecido como "de crédito mútuo", caso da Banricoop – apresenta como principal característica a existência de ponto em comum entre os sócios, reunindo grupos homogêneos como os de clubes, trabalhadores de uma mesma fábrica, funcionários públicos, entre outras categorias profissionais.

O cooperativismo de crédito no Brasil

O registro do surgimento do termo "cooperativismo" em solo brasileiro data de 27 de outubro de 1889, quando os funcionários públicos de Ouro Preto fundaram sua "Sociedade Cooperativa Econômica" na cidade de Minas. Embora fosse caracterizada como uma cooperativa de consumo, a entidade previa a existência de uma "caixa de auxílios e socorros", destinada às viúvas de associados e a sócios que caíssem na "indigência por falta absoluta de meio de trabalho", conforme consta no seu estatuto da época.

Este detalhe fez com que a instituição mineira fosse reconhecida como a precursora das cooperativas mistas com seção de crédito no Brasil. Também há uma referência à existência da "Sociedade Beneficente de Juiz de Fora", criada em 15 de março de 1885, portanto antes da de Ouro Preto.

De Nova Petrópolis a Porto Alegre

A primeira cooperativa de crédito brasileira foi constituída em 28 de dezembro de 1902 na localidade de Linha Imperial, município de Nova Petrópolis (RS): a "Caixa de Economia e Empréstimos Amstad, posteriormente batizada de "Caixa Rural de Nova Petrópolis". Esta cooperativa, do tipo Raiffensen, continua em atividade, sob denominação de "Cooperativa de Crédito Rural de Nova Petrópolis". Entre 1902 e 1964, surgiram, ainda, 66 cooperativas de crédito similares no Rio Grande do Sul.

Em 1º de março de 1906, no município de Lajeado (RS), foi criada a primeira cooperativa de crédito do tipo Luzzati no Brasil, batizada de "Caixa Econômica de Empréstimos de Lajeado", hoje "Cooperativa de Crédito de Lajeado".

Em 19 de setembro de 1912, foi fundada em Porto Alegre uma cooperativa central mista com seção de crédito: "União das Cooperativas Rio-grandenses de Responsabilidade Ltda.", provavelmente a primeira deste estilo no País. As filiadas desta central eram cooperativas agrícolas.

Já em 8 de setembro de 1925, foi constituída em Porto Alegre (RS), graças à reunião de 18 cooperativas, a "Central das Caixas Rurais da União Popular do Estado do Rio Grande do Sul – Sociedade Cooperativa de Responsabilidade Ltda.,", a primeira cooperativa central unicamente de crédito no Brasil, congregando cooperativas de crédito singulares do tipo Raiffensen nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Banricoop: a pioneira entre as cooperativas de crédito mútuo

A primeira cooperativa de crédito mútuo no Brasil foi a Cooperativa de Crédito dos Funcionários da Matriz do Banrisul Limitada, criada em 2 de maio de 1946 – que deu origem à Banricoop. A principal característica deste tipo de instituição é, conforme a Portaria 1.098 do Ministério da Agricultura, "as que têm como associados somente pessoas vinculadas a uma determinada entidade, corporação ou empresa, com área de ação reduzida, e que realizem operações ativas e passivas única e exclusivamente com os associados".

Portanto, as cooperativas de crédito mútuo, como a Banricoop, são cooperativas originadas do sistema Dejardins, que exige um vínculo com os associados. O Decreto 22.239 – datado de 19 de dezembro de 1932, que definiu as características das cooperativas de crédito atuais – deu guarida a este tipo de cooperativa. Foi este mesmo decreto que determinou a exigência da autorização do governo para que este tipo de entidade possa funcionar.

Hoje, com o advento da Lei 4.595, de 31 de dezembro de 1964, as cooperativas de crédito equipararam-se às demais instituições financeiras, passando a ser fiscalizadas pelo Banco Central do Brasil.