Ir para o conteúdo principal

Blog


O que um jornaleiro de 80 anos tem a ensinar sobre a vida profissional

O que um jornaleiro de 80 anos tem a ensinar sobre a vida profissional

Antes do amanhecer, numa manhã de abril de muita ventania, a única movimentação em uma esquina de Nova York vinha de um homem com um sobretudo de capuz manchado de tinta, calças largas e óculos grandes e redondos, que quase o escondiam enquanto ele movia uma pilha de jornais. 

Parece o início de um filme, mas é a descrição de um dia na vida de Ram Badan Singh, conhecido apenas por Singh, um indiano de 80 anos que mora nos Estados Unidos há 36 anos. Ele deixou para trás um emprego e mestrado na área de engenharia civil na Índia para recomeçar na América e vende jornais desde então.

Desafios

Não pense que ele tem uma vida fácil: solitário e em condições de trabalho adversas, o jornaleiro idoso sempre fez seu comércio nas ruas e metrôs, sem uma banca. Passou a ocupar a esquina de um antigo prédio comercial e lá se estabeleceu. Seus clientes viraram amigos que o ajudam, pagam remédios e tratamentos quando necessário, se preocupam quando ele não aparece e não trocam o New York Times vendido por suas mãos por nenhum periódico online.

Amizade

A via é de mão dupla: Singh sabe as preferências de seus clientes, dá todo o tipo de aviso sobre o cotidiano das ruas por conhecer o itinerário de seus compradores e é considerado membro oficial da vizinhança. Não tem parentes ou constituiu família nos EUA, então seus amigos são tudo o que possui.

O carinho e consideração que Singh despertou na clientela é tamanho que sobrevive a três grandes barreiras: o declínio do jornal impresso, a migração de leitores para a internet e o desuso do dinheiro em papel.

Legado

Podemos, sem dúvidas, nos inspirar na história de Singh para lembrar que construir uma convivência baseada na confiança, amizade e respeito não apenas torna nossa vida melhor como nos permite superar até os mais difíceis obstáculos profissionais do mundo moderno. O relato completo sobre Singh você encontra aqui.

Fonte:
Estadão

Comentários